gustavo

28 de julho de 2011

A defesa da Educação Pública chega aos palcos na voz de Edson Cordeiro

Minha gente! Vocês tinham que ter visto a homenagem que recebi na noite de ontem, 27, do cantor Edson Cordeiro, em pleno show aqui em Natal, no Teatro Riachuelo. Fui convidada pelo próprio, e ele falou isso no palco, acreditam? O interessante é que eu não sabia como reagir, e na hora que ele se referiu a mim e disse que não sabia se eu estava presente, fiquei em dúvida se me levantava, se gritava, enfim... acabei ficando calada mesmo, e depois me arrependi, mas tudo bem... afinal, nunca tinha recebido uma homenagem dessas antes, e o mais importante é que depois pude agradecer de perto por tudo.

Fiquei muito lisonjeada e, infinitamente feliz por saber, sobretudo nessas circunstâncias, que um artista do porte de Edson Cordeiro é sensível aos problemas da educação e da rotina d@s professores (as). O show tem uma dinâmica em que ele faz um breve histórico e algumas considerações sobre as músicas antes de cantá-las daquele jeito ímpar, que a gente já conhece, e foi nesse momento que falou sobre a sua família “matriarcal”, que conta com a sua mãe e mais três irmãs, inclusive uma que é professora, o que, segundo ele, contribuiu também para que a minha fala na Assembleia Legislativa do RN chamasse a sua atenção. Essa foi parte da apresentação que fez para, nada mais, nada menos, que “Angélica”, aquela canção que Chico Buarque compôs, durante a ditadura militar, em homenagem a Zuzu Angel, e que ele ofereceu para mim, depois de dizer que, assim como Zuzu, eu também usei a minha voz para mudar a realidade. A minha sensação foi indescritível. Já estava sensibilizada pela arte em si, e a isso se somou a emoção pela homenagem tão delicada, o orgulho por ser mulher, por ser professora, a indignação pela injustiça cometida contra Zuzu e tantas outras mães na ditadura, pela injustiça que ainda hoje se repete contra as trabalhadoras que amargam péssimas condições de trabalho e que não conseguem garantir o sustento dos seus filhos, nossa! Tudo isso se traduziu nas lágrimas que não consegui conter de jeito nenhum!

Gostaria de agradecer publicamente a Edson pelas suas palavras, pela sensibilidade, pela solidariedade, pelo reconhecimento à nossa profissão e pelas palavras de estímulo. Aproveito para mandar um abraço para sua irmã, a professora Sueli, e para repetir o que lhe disse no camarim: tenho grande identidade com Zuzu desde que conheci a sua história, quando ainda estava na Universidade e, por isso, tenho essa canção de Chico entre as minhas prediletas. Daí, mais um elemento para tantas lágrimas...

A canção em homenagem a Zuzu mostra a insistência dela, em perguntar tantas e tantas vezes pelo seu filho “desaparecido”. Ela nunca desistiu. Nunca cansou. Nós também não cansaremos de repetir nossas perguntas. Por que tanta injustiça? Por que tanto luxo para uns e tanta pobreza para outros? Por que a educação continua assim? Por que tanto desrespeito? Essa é a nossa luta. E, com certeza, continuaremos cantando sempre "esse mesmo estribilho", "esse mesmo arranjo", mesmo que pareça repetitivo e óbvio, até que sejamos ouvidas!

Todo apoio às Zuzus, Suelis, Veras, Marias, Joanas, que mostram sua força e nossa “teimosia”, que insistem em mostrar o que acontece nas escolas, que não aceitam isso como algo normal. Um beijo especial às educadoras do Rio de Janeiro, que há dias estão acampadas na secretaria de educação.

Como na ditadura, os artistas estão mostrando que estão do lado do povo. Edson Cordeiro, Osmar Prado e a tod@s @s artistas que estão solidári@s à nossa causa, mais uma vez, o meu muito obrigada!

7 comentários:

Giambatista Brito disse...

E ninguém filmou isso? Que absurdo.

Giambatista Brito disse...

Não achei nada no YouTube ainda. Mas quem sabe não aparece alguma coisa por lá daqui uns dias. :)

Razek Seravhat disse...

Amanda Gurgel,

Com todo respeito a sua história e ao movimento que você faz parte. Mas, não é perigosa essa defesa de 10% do PIB para educação. Uma vez que a educação deveria ser vista separada dessa economia selvagem que não respeita sequer a natureza. E outra, o PIB é uma grandeza constante e se ele variar não vai afetar essa nossa bandeira? Penso que são ponderações importantes que devem ser levantadas de forma bastante cautelosa e fraterna.

ternura sempre!

coquetelmolotov disse...

Amanda, parabéns pela homenagem, mais uma vez estou emocionado. É coisa de pisciano. Valeu!!!

Doutor Sujeira disse...

Profa. Amanda, desejo sorte a você e seu partido na sua candidatura. Não voto no PSTU, mas acho que precisamos melhorar o nível do debate sobre a educação e outros temas importantes.

hudyluz disse...

Quem é Edson Cordeiro?

Rutênia Teixeira disse...

Sou indignada com a posturada da classe artística brasileira que parece ignorar a situação da educação do nosso país,como se o problema fosse só dos professores e de governantes e não da sociedade(portanto deles também).Fiquei feliz pelo reconhecimento que a professora Amanda recebeu de tão primoroso artista,e esperançosa para que outros tão bons quanto ele sigam o exemplo e quem sabe façam até mais um pouco,mostrando compromisso social com o crescimento de seu país.
Um grande abraço!

Postar um comentário

 
Design by Free Wordpress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Templates