gustavo

7 de setembro de 2011

O pão que Rosalba amassou

Quando ainda estávamos em greve, o Ministério Público Estadual e o Federal enviaram para as escolas estaduais do Rio Grande do Norte a recomendação de que ninguém, além dos alunos, poderia comer a merenda servida na escola. O aviso foi reiterado após a volta às aulas, e representantes das DIREDs foram convocad@s para uma advertência oficial: diretores de escola onde o “delito” fosse cometido poderiam sofrer processo administrativo e criminal.

O assunto virou manchete nos principais jornais do estado e, em todas as matérias, há sempre um representante do Poder Executivo ou do Judiciário para nos atacar, chegando inclusive a nos acusar de roubo de merenda. Diante da “polêmica” e da super exposição, o sentimento nas escolas tem sido de constrangimento e indignação.

De fato, professores (as) e funcionári@s se alimentarem com a merenda faz parte da rotina da escola. E antes de nos tratarem como “infratores”, é preciso ver que essa realidade apoia-se na dimensão concreta de nossas vidas, e só existe pelas restrições a que estamos submetid@s.

Qualquer pessoa que viva além de gabinetes, apoiado na realidade, e não apenas em peças judiciais burocráticas, percebe imediatamente porque @s professores comem na escola. Como falei na Assembleia Legislativa no dia 10 de maio, nós precisamos trabalhar dois ou três horários para garantir o próprio sustento e o de nossas famílias.

Ora, se @ professor (a) passa o dia correndo de uma escola para outra, em transportes extremamente precários, pressupõe-se que ele (a) não dispõe de tempo para ir em casa fazer uma refeição entre um turno e outro. A verdade é que, em muitos casos, a refeição não é feita nem em casa, nem na rua. Afinal, quem é @ professor (a) que nunca “flagrou” um (a) colega “almoçando” um pastel ou uma coxinha dentro de um ônibus, a caminho de uma das escolas em que trabalha?

Diante dessa consideração, há quem possa perguntar: “então porque não levam comida de casa?” e a resposta é de natureza prática: é inviável e até desumano submeter profissionais que já andam carregados de livros, diários e trabalhos a serem corrigidos ou devolvidos, a carregarem mais duas ou três refeições dentro da bolsa por obediência a uma lei elaborada por pessoas que nem precisam levar marmita na bolsa, nem andar de ônibus. É absurdo exigir dest@s heróis e heroínas que, após toda a jornada de trabalho na rua, ainda consigam administrar o tempo em casa entre planejar, corrigir, elaborar provas, dar atenção aos filhos, cozinhar e ainda ter que preparar a marmita do dia seguinte.

Também é importante dizer que, mesmo com essa jornada, muit@s trabalhadores (as) em educação ainda não alcançam a proeza de garantir o sustento de suas famílias com o salário que recebem, razão que determina outra característica da nossa categoria: o endividamento.

Essa realidade, aliás, vivida não só por professores (as), mas pela maioria d@s trabalhadores (as) brasileir@s comprova o fato de que nenhum trabalhador(a) tem condições de gastar com comida na rua o dia todo, todos os dias, e ainda garantir que haja comida em casa para o restante da família. Diriam ainda os bajuladores cruéis: “tanta gente que vive com um salário mínimo...”. A resposta a essa piada de mau gosto eu prefiro dar não com palavras, mas com um minuto de silêncio em respeito aos trabalhadores que sobrevivem no Brasil com um salário mínimo.

Falsa polêmica
A recomendação do Ministério Público, na prática, humilha e ridiculariza @s profissionais da educação. Independentemente da intenção do Judiciário, tem sido um prato cheio para os governantes. Assim, eles miram os trabalhadores, tentando nos colocar no banco dos réus, tentando dividir a comunidade escolar, jogar uns contra os outros, quando, na verdade, no interior das escolas, não existe polêmica alguma no que se refere à distribuição da merenda. Ela sempre foi distribuída a tod@s os segmentos, e isso nunca impediu ou limitou o acesso d@s alun@s à refeição, tanto que eles(as) mesm@s são @s primeir@s a discordar da recomendação.

Com a “polêmica” aberta pelo Ministério Público temas realmente importantes são deixados de lado, envoltos em fumaça. O piso nacional dos professores, por exemplo. Enquanto se discute o tal “cuscuz alegado”, que cheguei a lembrar naquela audiência, deixa-se de lado a responsabilidade sobre os salários, condições de trabalho, investimentos, o debate sobre o PNE... É o que desejam governantes que não priorizam a educação, como Rosalba ou Micarla.

Naturalmente, o Ministério Público de cada estado poderia mandar cumprir imediatamente a Lei do Piso Nacional que, mesmo sancionada na esfera federal, vem sendo sistematicamente descumprida pela maioria dos estados e municípios. Aliás, foi exigindo o cumprimento dessa lei, que muitas greves foram feitas em todo o Brasil. Greves que, por sinal, foram julgadas abusivas pelo próprio Poder Judiciário.

Se o Ministério Público não se ocupasse com questões que, definitivamente, não interferem na qualidade da educação, teria tempo para se dedicar a outros temas. Por exemplo, o sem número de turmas que ficam meses e até chegam a concluir um ano letivo sem professores (as) de determinadas disciplinas. Porque o Ministério Público não exige d@s governantes que garantam professores para todas as turmas, evitando o prejuízo aos alun@s?

Também teria tempo para ordenar a restituição e o confisco das mansões e dos carros de luxo de tod@s aqueles (as) que desviam dinheiro da merenda para comprar uísque e ração de cachorro, como em Alagoas. Teria tempo para se preocupar com desvios da educação, da saúde, inclusive da deputada corrupta Jacqueline Roriz, absolvida por seus pares. Teria tempo para garantir que a desnutrição, e todas as doenças dela decorrentes, fossem apenas uma lembrança.

Suspeito que o Judiciário esteja muito distante da realidade da população. Basta ver os ministros do STF, que acabaram de enviar pedido de reajustes que levariam o salário de cada um para R$ 32 mil. Imaginem os restaurantes que eles frequentam...

Ao insistir em discutir se @ professor (a) ou @ funcionári@ estão comendo a merenda, o Judiciário escolhe o lado errado. Sua recomendação é impossível de ser cumprida, pois choca-se com uma realidade de salários de R$ 930, tripla jornada de trabalho, quilômetros percorridos a pé ou em transportes precários, e, por isso mesmo, tem tudo para ser ignorada, e virar letra morta. Entre o que está escrito no papel e a vida real, prevalece sempre a vida real. @s miseráveis a quem a Constituição assegura o direito a alimentação, atendimento médico, moradia e segurança que o digam!

Respeito e dignidade
Dentro desse debate muitas questões tem sido levantadas, mas a principal vem sendo ignorada. O Ministério Público alega estar fazendo o seu papel, garantindo que o que está escrito no Programa Nacional de Alimentação Escolar – PNAE seja cumprido. Em primeiro lugar, é necessário que façamos, mais uma vez, uma reflexão sobre a elaboração das nossas leis, programas, etc. e vejamos a que interesses eles atendem. Depois, é fundamental que tenhamos a consciência de que essas leis não são imutáveis, nem foram escritas por inspiração Divina, não admitindo questionamentos.

Não temos que empenhar esforços na busca por “atenuantes” para o nosso “delito”. Dizer que comemos restos, sobras, etc. só faz com que as sobras da nossa dignidade sejam jogadas de uma vez por todas na lata do lixo. A verdade sobre essa “polêmica” é uma só: se o PNAE apresenta uma visão distorcida, que considera que a escola é formada apenas pelos alunos, e não por alunos, professores (as) e funcionári@s, o erro está nele, e não em quem constrói o cotidianos das escolas.

A polêmica do cuscuz alegado é de natureza política e deve ser tratada como tal. Então, é necessário que @s deputad@s que, até agora, estão inertes diante de tamanho absurdo se posicionem, se manifestem. Se a lei está errada, cabe a eles consertá-la.

É justamente por ter a certeza de que não somos nós que estamos errad@s, que digo aos meus colegas que não se envergonhem nem se constranjam diante das acusações e ameaças. Mantenham a indignação e preparem-se para a luta. Não por um prato de comida, mas por dignidade, salário decente e condições de trabalho que abrangem, inclusive, o acesso a refeições na escola e, aliás, com qualidade bem superior à que temos hoje.

Às autoridades, peço que parem de difundir esse discurso demagógico de preocupação com a nutrição dos nossos alunos e a informação falaciosa de que a merenda servida aos trabalhadores (as) interfere na merenda servida a eles (as). Não pensem que conseguirão colocar os pais e noss@s alun@s contra nós, mesmo porque, em casa de pobre, o lema é: “onde come um, comem dois”. A vida aqui embaixo fala mais alto.

11 comentários:

Airton Moraes disse...

Por que sera que as empresas privadas sao obrigadas, pela legislação, acordos sindicais,etc, a conceder aos funcionários/colaboradores vale/ticket refeição/alimentação e os governos não legislam nesse assunto???

Zé e Zó Blog disse...

Belo texto!
Só achei o título inconveniente, haja vista a responsabilidade do ministério público ( como vc mesmo disse, Estadual e Federal)

celina disse...

Certamente a recomendação do Ministério Público, tem seu efeito anulado quando não colocaremos comida feita no lixo, só para satisfazermos burocratas que ganham salários milionários a custa dos nossos impostos muito mal aplicados por sinal, para nós comida é sagrada...E antes de qualquer recomendação nesse sentido, vamos recomendar mais vergonha na cara daqueles que nos representam.

Sybylla disse...

No meu primeiro ano de aula se eu não comesse a merenda no intervalo do período da tarde, eu desmaiava, pois só tinha comido alguma coisa pela manhã. Mesmo com a diretora carrasca que eu tinha, ela autorizava os professores a descer e comer, ela mesma inclusive descia.

Nossos governantes perdem tempo legislando sobre aumento para o Judiciário, auxílio paletó e esquecem do restante do país. Piada pronta!

Julio Cesar Lourenço disse...

Absurdo tal determinação do judiciário, o que demonstra apenas uma única coisa, esses governos representativos NAO NOS REPRESENTAM, por isso nossa organização contra eles tem que ser cada vez maior, Marx já dizia que o desenvolvimento do capitalismo produzindo mais e mais desigualdades, geraria em seu interior os meios para superá-lo, vamos divulgar nossas indignações pelas redes sociais, blogs e outros para nos fazermos ouvir. Parabéns Amanda!

Dayse Goulart disse...

Só tem uma coisa a fazer diante do que acabei de ler, e é o que estou fazendo, chorar. É muito triste ler um texto que vai fundo na ferida de milhões de brasileiros, não só da nossa classe de trabalhadores. Parabéns e muito obrigado, Amanda.
Professora Dayse Alves Goulart, Santa Catarina

SONHOS e LUTAS disse...

http://lapupilainsomne.wordpress.com/2011/09/03/camila-vallejo-soy-militante-de-las-juventudes-comunistas-algo-de-lo-que-me-siento-totalmente-orgullosa/

Cezário Luiz e Cézar Fernando disse...

Prezada Amanda Gurgel,

Não entendo um estado que segundo matéria no site no minuto, diz que o RN é o 2º estado em projetos voltados para a superação da miséria, veja a matéria na integra, mas existe uma contradição em uma reunião com os Diretores das Escolas Estaduais que pertencem a 7ª DIRED, uma pessoa de nome NEIDE disse "Se sobrar merenda é para jogar fora se por acaso os Professores e Funcionários tiverem comendo da Merenda Escolar e a fiscalização pegar os Diretores podem ser processados e até mesmo serem presos.
Isso é uma vergonha para conseguir recursos para combater a miséria o Governo se destaca em segundo lugar com projetos, mas se a Merenda Escolar é preparada e sobra merenda em estado de consumo humano não pode ser doada a terceiros...
Que país é este? No papel tudo bem mas na prática deixa muito a desejar.

Railton disse...

Professora Amanda, gostei muito do seu texto, mas acho que a forma como você se expressa está parecendo mais uma disputa política, está parecendo que você entrou naqueles "joguinhos" partidários. Entendí perfeitamente a sua posição, e concordo plenamente com você, mas reveja um pouco a sua forma de escrever, as palavras que você coloca; é apenas uma dica!

CRIS GIACOMIN disse...

Professora Amanda, gostaria que comentasse algo a respeito do aumento do número de dias letivos, de 200 para 220 dias por ano, ou a ampliação da jornada diária para cinco horas como alternativas para melhorar a qualidade da educação básica. Será que quantidade é sinônimo de qualidade?

Cristiani - ES

thais disse...

Acho um absurdo o ministério público se ocupar em nos fiscalizar a cerca da merenda. De fato concordo que a merenda seja do aluno, Mais na minha escola só é servido o que sobra das crianças, nós só comemos depois que as crianças lancham. E outra coisa ninguém vê que a grande maioria de nós professores muitas vezes temos que comprar material para trabalhar em sala, vários colegas meus vivem economicamente apertados mais compram material para trabalhar em sala especialmente minhas amigas que trabalham com educação infantil em Macaiba.
Recentemente até a passagem de ônibus meus colegas da prefeitura de Natal tem tirado do bolso, e todo mês é descontado do nosso salario mais não nos é repassado. E as crianças estão tendo aula.
quer dizer que nós temos que nos compadecer dos alunos e tirar do nosso dinheiro, nosso por direito e com muito suor para que eles naum se prejudiquem, mais nós não temnos o direito de comer a sobra do lanche? é preferivel que essa sobra vá para o lixo do que desperdissar conosco?
Sinceramente como podemos aceitar essa situação? ou melhor até quando vamos aguentar?

Postar um comentário

 
Design by Free Wordpress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Templates